Blog do Avallone

Uma Seleção intocável

Eu era muito criança e vivia infernizando a vida do meu pai para me levar ao cinema para assistir aos faroestes. Ah, adorava os faroestes! Mas nem me lembro a razão, naquele domingo não tinha filme de mocinho contra bandido e acabei vendo uma comédia de um ator que nem conhecia, Danny Kaye. No filme. ele contava uma fábula que jamais esqueci: o da linda roupa do rei.

Na verdade, o rei estava nu. Mas todos os súditos foram avisados para que elogiassem “a linda roupa” real.  Até que um desavisado, com todo o espanto, quebrou o esquema e gritou: ”O rei está pelado!”.

E foi punido.

O que tem a ver isso com futebol? É que ao acompanhar a entrevista de Felipão, vi- como todos- a sua irritação ao ser questionado por um repórter sobre uma certa mudança na Seleção, no segundo tempo. Aproveitando a brecha o treinador para emendar: “É piada”.  Não é a primeira vez, nesta sua nova passagem pela Seleção, que Felipão perde a paciência em entrevistas coletivas. O que me leva a deduzir que é proibido perguntar em tom crítico (ora, o jornalismo) e que é sempre de bom tom dizer “Ah, que bela Seleção”, assim como era bela a roupa do rei.

Perdão, se estiver faltando com o respeito, mas a Seleção Brasileira foi a mesma coisa dos últimos tempos- com alguns lampejos no primeiro tempo- e não foi além de um empate de 2 a 2 diante da mediana Seleção da Inglaterra, no novo Maracanã. Não tem um padrão definido e nem convicções táticas. Além do que, Neymar continua a jogar muito pouco diante do que já exibiu no Santos, quando era um atacante livre, solto e endiabrado.

Ou, popstar da moda, também é proibido criticar Neymar?

Talvez seja por motivos como estes que nós, quase sempre líderes no ranking das melhores seleções, estamos beirando, agora, a vigésima colocação. Ah, se os intocáveis soubessem que até Pelé, também já foi criticado, mas que deu sua resposta nos campos, com gols e genialidade.

Este, sim, era o verdadeiro Rei. E tinha brilho em suas roupas.

 

PS. Caros internautas: informo que logo mais, no próximo post, este blog terá um novo endereço. E estaremos de “cara nova”, mas como sempre com a mesma intenção, que é a de trazer informação, opinião e tudo sobre  futebol.

Novo endereço do blog: blogdoavallone.blogosfera.uol.com.br

Alerta: com esse futebolzinho, o Palmeiras sai da Segundona?

Até acho que o Palmeiras acaba subindo e não passe pelo vexame de passar o ano de seu Centenário - com Arena nova e tudo- na Segundona. Mas, com certeza, não será com esse futebolzinho que exibiu (?) na derrota para o América mineiro, por 1 a 0 (gol de Nikão), neste sábado à tarde, em Itu.

Foi um futebol digno de Segunda Divisão: controlado pelo América o Palmeiras não tinha capacidade de organizar jogadas ofensivas, tanto pelo meio (com Márcio Araújo, Chales, Wesley e Tiago Real) como pelas laterais, com os afobados e inseguros Ayrton e Juninho. E, no ataque, um Vinicius que só atem aquela jogadinha pela esquerda e um Leandro que, talvez encantado com as novas funções de garçom, esqueceu-se do que antes fazia- partir para cima do marcador e chutar com eficiência.

Um horror!

E o América- que até então não vencera ninguém- tocava a bola, contra atacava com perigo e encontrou o seu gol depois da cobrança de um lateral, maneira que não se admite nem nos disputados jogos varzeanos. Tudo bem que Bruno poderia ter defendido, embora desta vez o gol não deva ser classificado como frango, mas a cena mostra a desatenção total na defesa e, ainda, falta de equilíbrio emocional.

Ah, mas no segundo tempo o Palmeiras perdeu dois gols... E daí? As duas chances que surgiram- que eu me lembre, as únicas- foram desperdiçadas de maneira bisonha pelo centroavante Caio, que entrou no segundo tempo. E não me consta que errar assim, na frente do gol, seja virtude de um atacante. Muito pelo contrário.

Nunca fui um crítico do técnico Gílson Kleina, sempre levando em consideração que ele não dispõe de um elenco mais qualificado. Só que, fazendo as contas, me vem à cabeça de que sob sua direção o time sempre falha nos momentos decisivos: foi assim no rebaixamento do ano passado, no Campeonato Paulista, na Libertadores contra o Tijuana...

E se continuar assim também na Segundona, seria necessária uma análise profunda sobre sua situação: além de jogadores, o Palmeiras não estria precisando também de um técnico que saiba impor as suas ideias?

É para se considerar...

Marcelo Bielsa, uma boa para o Santos e para o futebol brasileiro. E a Seleção no ataque.

                                                                                        Foto: Reuters

Lamento por Muricy, técnico competente,  mas que teve seu ciclo encerrado no Santos. Mas já que aconteceu a sua demissão, creio ser das mais saudáveis a tentativa da contratação de Marcelo “El Loco” Bielsa, um técnico argentino que gosta do futebol ofensivo e bem jogado.

Na verdade, seria uma boa não apenas para o Santos, mas para todo o futebol brasileiro cujos principais estrategistas estão a necessitar de uma reciclagem, pois algo mudou até em relação a equipes sul-americanas, o que provam as recentes dificuldades na Libertadores da América: e o que fizer, então, se a comparação for feita com times alemães- que são um resumo do futebol de hoje, na arte de ocupar os espaços, atacar e defender- ou até mesmo às equipes espanholas.

“El Loco” Bielsa sempre faz de seus times, um ponto de referência para quem gosta de futebol ofensivo (prefere atuar com três atacantes) e, ao mesmo tempo, compacto, como reza a cartilha da modernidade. Seria a maneira de fugir da mesmice, da repetição das velhas e carimbadas figurinhas, a cada vez que se troca de treinador.

Historicamente, o futebol brasileiro sempre cresceu quando importou bons técnicos estrangeiros. E ainda mais agora, em que vivemos modestíssima posição no ranking das seleções, seria de extrema importância mentalidade nova, vinda de fora.

Nisso, acredito, o Santos está no caminho certo.

A  SELEÇÃO  NO  ATAQUE

Sei lá como será no campo. Mas, no papel, pareceu-me boa a intenção de Felipão ao escalar um time com tendências ofensivas para enfrentar a Inglaterra: do meio-campo para frente, começando por Fernando- que protege a área e chuta bem-, as coisas continuam bem com Paulinho, Oscar, Lucas, Neymar e Fred.

Uma seleção sem brucutus, sem exagerados cuidados defensivos e que, com paciência, pode atacar e ocupar os espaços. Um bom convite para acompanhar esse amistoso contra a Inglaterra, no Maracanã, agora reformado, é verdade, mas sempre lembrado como palco de memoráveis  exibições da Seleção Brasileira.

O herói Victor salva o Atlético Mineiro. E o Mercado da Bola: o êxodo está próximo?

Victor defesa pênalti jogo Atlético-MG Tijuana (Foto: Reuters)

                                                                                Foto: Reuters

Foi dramático e surpreendente: quem esperava uma cômoda vitória do Atlético Mineiro sobre o Tijuana, talvez até levando muito à sério a história de que “caiu no Horto, está morto”, ficou surpreso: o Tijuana só não eliminou o Galo porque o goleiro Victor defendeu um pênalti cobrado por Riascos, aos 48 minutos do segundo tempo.

Riascos foi o autor do gol do Tijuana, que saiu na frente, para, depois, o zagueiro Rever empatar, ainda no primeiro tempo. Seria o sinal de um novo show do Galo? Não, não seria. Disputando péssima partida, com os nervos de seus jogadores à flor da pele, o Atlético Mineiro não conseguia furar a retranca dos mexicanos: e, no segundo tempo, quando o Tijuana foi para frente, o Galo se enroscou mais ainda, contando com os milagres de Victor em pelo menos duas oportunidades, culminando com o pênalti defendido com o pé direito quando já haveria mais tempo para a reação.

Seja lá como for, esse empate de 1 a 1 (foi 2 a 2 em Tijuana) faz do Atlético Mineiro o único brasileiro sobrevivente na Libertadores. Só que se jogar como o fez na noite desta quinta-feira, terá vida difícil diante de seu adversário na semifinal, o argentino Newell’s Old Boys, que, tecnicamente, parece ser muito melhor do que o Tijuana.

ÊXODO, NO MERCADO DA BOLA:

1- Já se dá como praticamente certa a saída de Bernard, do Atlético Mineiro, no segundo semestre: seu destino mais provável é o futebol inglês, apesar do interessado alemão Borussia Dortmund. E já há quem diga que seu substituto, o veloz Luan, não fica devendo nada Bernard.

2- Leandro Damião também pode ir para o futebol inglês- possivelmente para o Tottenham-, desde o Inter receba em torno de 20 milhões de euros, quantia até modesta para alguns centros do futebol europeu.

3- Pelo que se sabe a saída de Paulinho, volante-artilheiro do Corinthians- é uma questão de tempo e de dinheiro.  Mas duvido que a Inter de Milão tenha a grana necessária para contratá-lo, além do que não existe uma disposição do Corinthians em perdê-lo.

Mas, parece, será quase impossível segurá-lo. E creio que a contratação de Ibson é para suprir a sua falta.

4- Aqui, boatos. Enquanto na imprensa francesa já foi especulado que o diretor-executivo do Paris Saint Germain, o ex- jogador Leonardo, viria ao Brasil para contratar Paulo Henrique Ganso, agora surge a notícia (ou boato) que outro novo- rico do futebol francês, o Monaco, entraria com tudo na disputa pelo meia do São Paulo.

Aqui tenho minhas dúvidas: Ganso já voltou a exibir o futebol capaz de despertar tanto interesse?

Cenas do eterno sobe-desce do futebol

Com um dia inteiro voltado pra o futebol, nas mais variadas competições, foi possível ver, nesta quarta-feira, cenas que mostram bem o eterno sobe- desce desse maluco e apaixonante jogo de bola.

1-  Riquelme em baixa? O semblante fechado, cansaço escancarado, lá foi Riquelme a cobrar o primeiro da série de pênaltis para decidir quem iria avançar na Libertadores- Boca Juniors ou Newell’s Old Boys. Seria gol na certa. Ah, ledo engano- como um principiante- ou então, o que é pior, como um veterano já cansado de tantas batalhas- Riquelme fez uma cobrança inacreditável, ao chutar no meio do gol para o goleiro defender sem precisar se mexer, sem precisa rebater.

Bem, depois disso, no total foram 26 cobranças-13 para cada lado-, em decisão que mexeu com os nervos até de quem não torce para “Los Hermanos”. Riquelme até se redimiu, fazendo gol em uma dessas cobranças, bem embora tenha batido mal de novo, Mas não tão mal.

Há duas semanas, Riquelme estava em alta, como um herói, por ter marcado um estranho gol no Corinthians e ajudado o Boca se classificar. Depois da eliminação e do pênalti perdido, como estará agora o velho “Román”? Provavelmente às voltas com comentários que é chegada a hora do adeus...

2- Luís Fabiano, em alta: o São Paulo arrasou o Vasco, por 5 a 1, e Luís Fabiano foi o seu destaque: autor de dois gols e meio, dois de maneira direta e o outro contando com a colaboração do zagueiro vascaíno, Luan.

De ter voltado a ser o Fabuloso.

Bem diferente de algumas semas atrás, quando foi, inclusive, considerado negociável pelo São Paulo. Parece que a sacudida fez efeito: Luís Fabiano voltou a jogar bola, a fazer gols e agora volta a fazer parte dos intocáveis do time. E parte também do eterno sobe- desce do futebol.

3- Pato, a quantas anda? Perdeu um gol incrível contra o Goiás (empate de 1 a 1, no Serra Dourada), depois até de driblar o goleiro. Teve lá seus movimentos interessantes, como um ou outro drible sutil e o jeito de tocar na bola, mas nada que ainda justifique o investimento corintiano por seu futebol: 15 milhões de euros, cerca de 40 milhões de reais. O que, acredite, já causa questionamento por parte de alguns torcedores: o que acontece com Pato?

Parece-me uma fase normal, de readaptação, mas na implacável cotação do futebol, Pato é tido como reserva, está fora da Seleção e anda na coluna da dúvida: nem na baixa e (ainda) nem na alta.

Com Leandro em novo estilo, o Palmeiras é o líder da Série B.

                                                                                 Foto: Ailton Cruz

Ainda é muito cedo, pois a Segundona é longa e pode ser traiçoeira. Mas, pelo menos por enquanto, o Palmeiras está cumprindo a sua obrigação e é o líder da Série B: agora venceu o Asa, em Arapiraca, por 3 a 0, já soma seis pontos, quatro gols de saldo- um a mais do que o Figueirense- e poderia ter dilatado ainda mais o placar se, no segundo tempo, não tivesse decidido “cozinhar o jogo” e poupar suas energias.

Está errado?

Creio que não. Com o campo muito pesado e riscos de novas lesões (o centroavante Kleber saiu contundido), o Palmeiras está pensando mais em sua volta à elite do futebol brasileiro-logo no ano de seu Centenário- do que em goleadas implacáveis ou shows Inesquecíveis. O que, alias, apesar dos narizes torcidos, é o que importa.

E quem foi o destaque da boa vitória? Sem dúvida alguma, esse talentoso Leandro, que trocou as honras dos gols pela função de garçom- da de servir seus companheiros. E foi o autor dos três passes (ou assistências) que deram nos gols do Palmeiras, marcados por Kleber (enfim, um belo gol), Juninho e Tiago Real. No resto, o time disputou um bom primeiro tempo, com a firmeza de sempre de Henrique, apesar dos passes errados de Márcio Araújo e a inexplicável apatia de Wesley.

O Palmeiras começou bem a sua nova saga por campos que não esperava encontrar de novo. E há rumores cada vez mais fortes que, em julho, uma dupla paraguaia de bom nível- o meia Mendieta e o centroavante Pablo Velazquez- aumente o poderio da equipe para que esta não seja surpreendida no meio do caminho.

A conferir.

Uma justa negativa a Neymar. E o inferno da Segundona.

Pelo que li, Felipão ficou irritado com a ideia da solicitação para que Neymar desse mais um “adeus” ao Santos, no jogo contra o Grêmio, e a vetou antes mesmo que ela chegasse à CBF. Em minha opinião, agiu corretamente.  Neymar teria de sair da concentração da Seleção Brasileira para mais esse comovente evento.

Agora, acho que já chega, pois não? Já acabou a novela, Neymar vai para o clube que quer, ganhar o dinheiro para garantir várias de suas gerações e ainda foi “bonzinho” com o Santos, que também levou uma grana que nem existiria se o craque fosse igual a muitos outros: era só levar mais um aninho de contrato e ficaria com tudo.

Não está bom assim? Foi uma novela com final feliz. Sem mordomo no final da trama.

Só que, de agora em diante, o jeito precisa ser outro para o próprio bem de Neymar. Afinal, ele não vem jogando nem metade do que já exibiu, curte um razoável jejum de gols- oito jogos, se não me falha a memória- e está na hora de voltar a pensar mais em futebol do que em eventos. Futebol, hoje, é negócio, já se sabe. Mas se o produto não corresponder ao marketing, passa a ser um gol contra.

Discordo de Felipão em vários pontos, questiono até a sua atualização tática. Mas o que é certo, é certo. E desta vez, ele mandou bem. Vai existir muito espaço, depois da Copa das Confederações para novo “adeus” ou “até logo” ou ainda lenços cheios de lágrimas de Neymar; assim como todas as peças publicitárias que desejar, como, por exemplo, aquela gracinha em que, de cuequinha, imita um coelhinho para sair de cena.

Que tal, agora, reviver aquela outra cena da caminhada com seu pai, quando se diz, mais ou menos, ser o menino feliz com sua bola?

O futebol agradece.

O  INFERNO  DA  SEGUNDONA

Não tem aquela brincadeira que diz que “caiu no Horto, tá morto”- em referência ao Atlético Mineiro quando joga no Independência? Agora, algo há de se dizer para qualquer grande que caia para a Segundona: campos irregulares, a maioria dos jogos com arquibancadas vazias, luzes que se apagam, jogadores que correm desordenados e chutando a técnica para escanteio.

Meus Deus! Que inventem o refrão adequado.

Com todo o respeito ao ilustre torneio que já nem se existe, o Desafio ao Galo, mas este me parecia bem melhor do que a Série B. E azar de quem não aprendeu a lição de já ter caído- ao contrário do Corinthians, hoje situado entre os 20 mais ricos clubes do mundo-, agora descer duas vezes em 10 anos como o Palmeiras é desafiar o risco e o humor de sua torcida.

Já se pode dizer até que nem é mais “sangue na veia”. É adrenalina pura.

O choro de Neymar. E destaques da primeira rodada do Brasileirão.

1- No estádio lotado, em Brasília, jogadores do Santos e do Flamengo perfilados para a execução do hino nacional do Brasil. E, emocionado, Neymar não conteve as lágrimas e escancarou o choro. O choro do adeus ao time do Santos. Mas também a reação de um menino de 21 anos, que passou vários dias à espera de uma definição para a sua carreira e para a sua vida.

Ele vai ganhar muito mais dinheiro do que já ganhou é verdade, além de realizar um sonho de jogar no Barcelona, ao lado de Messi, Xavi, Iniesta. Seriam motivos suficientes para chorar de alegria, mas ainda acredito que o que o levou às lágrimas foi a emoção pura, de um menino que tem sentimentos. Quantos outros, em seu lugar, se disporiam a jogar neste domingo, depois de a situação já resolvida? Sempre há o perigo de uma contusão, Para que arriscar?

Pois Neymar não pensou e nem agiu assim. Ainda foi o jogador do Santos que mais tentou o gol, correu como sempre, embora lhe faltasse o brilho de outros jogos. Como o Flamengo, ermbora ligeiramente superior, também não jogou lá essas coisas, a partida acabou ficando em 0 a 0.

2- O maior destaque da rodada inaugural do Campeonato Brasileiro foi a goleada do Cruzeiro sobre o Goiás, por 5 a 0. Um dos maiores investidores nessa competição, o Cruzeiro arma time forte(até com Dedé na zaga), com direito a ataque formado por Diego Souza, Dagoberto e Borges, transformando-se em um dos candidatos ao título. Faz-lhe bem a concorrência com o arquirrival Atlético Mineiro- este, o melhor time da Libertadores até agora.

3- Nos outros jogos deste domingo- das partidas de sábado já falei no post anterior- chamou-me a atenção a boa vitória do São Paulo diante da Ponte Preta, em Campinas, por 2 a 0, gols de Lúcio (de cabeça) e Jadson (pênalti). E também a virada do Coritiba sobre o mistão do Atlético Mineiro: já no segundo tempo, o Galo marcou primeiro, em falta cobrada por Diego Tardelli e falha do goleiro Vanderlei: teve forças, no entanto, para empatar com um gol de cabeça de Deivid e, no último minuto, após jogada de Lincoln (que entrara no lugar do ídolo Alex), chegar à vitória com o gol de Artur. Emocionante.

Neymar é do Barça, a Champions League é de Robben, o duelo dos campeões não é do Corinthians e nem do Botafogo. E mais: o Palmeiras venceu, mas...

1-  E o último capítulo que faltava para o desfecho da novela Neymar já aconteceu: ele mesmo, através das redes sociais, já anunciou que nesta segunda-feira assinará contrato com o Barcelona. Tecnicamente, creio que fez a melhor escolha, pois quem não deseja ver em ação uma dupla composta por Messi e Neymar? Além disso, o Barça se ressente de um jogador como ele, mais à frente, para suprir a ausência de atacantes mais decisivos, dividindo, ainda a marcação exercida sobre Messi, que joga mais atrás, com a bola dominada.

E como já disse, sorte do Santos também, pois não iria receber nada no próximo ano- quando terminaria o contrato de Neymar- e agora terá uma grana para reconstruir do seu time.

2- Robben, o herói: foi apoteótica a final da Champions League, em Londres, com o lendário estádio de Wembley abrigando um duelo alemão entre o Bayern de Munique e o Borussia Dortmund. Foi jogo duro, empolgante, com o Borussia melhor no primeiro tempo e o Bayern jogando muito, mas no segundo. E deu Bayern, 2 a 1.

O herói, no entanto, foi um holandês carequinha: trata-se de Robben, camisa10 às costas, canhoto que joga pela direita e tem grande facilidade para driblar. Ele fez a jogada do primeiro gol do Bayern. Deixando Manduzukic livre para marcar: e ainda fez  o gol da vitória, em belíssima jogada, aos 43 minutos do segundo tempo.

Assim, na festa alemã, a Holanda tem lá também a sua parcela.

3- O empate no duelo entre Corinthians e Botafogo: tratava-se do confronto entre o campeão paulista e o carioca, só que o Corinthians anda com muito boa receita e o Botafogo teve de conviver com o sério protesto de seus jogadores, que se recusaram a se concentrar por conta dos salários atrasados.

No campo, no entanto, a situação distinta não prevaleceu. O Botafogo foi até melhor, fazendo 1 a 0, com Rafael Marques, depois de brilhante centro (na verdade, um passe) de Seedorf, deslocado pela ponta- direita. Na segunda etapa, o Botafogo recuou demais e o Corinthians voltou fortalecido com Pato e Douglas entrando nos lugares de Guerrero e Danilo.

E foi numa falta cobrada por Douglas, com muito veneno, que Paulinho raspou a cabeça na bola e Marcelo Matos, surpresa, acabou de manda-la para o fundo de suas próprias redes.

Empate justo. 1 a 1.

4- O Palmeiras venceu, mas: esse, mas fica por conta da torcida palmeirense que, em sua grande maioria, não gostou do futebol apresentado pela equipe  na estreia da Segundona. Diante do Atlético Goianiense.  Por 1 a 0, gol de Tiago Real.

Tentando entender os narizes torcidos, ficou claro que o Palmeiras tem condições de subir, sim, mas que não será de braçada como muitos poderiam imaginar. Mas não me surpreendo: há quanto tempo já não se sabe que o elenco é limitado e que precisa, no mínimo, de um bom meia-armador (não se pode contar com Valdivia) e de um centroavante à altura de suas tradições? Eu disse, no mínimo.

Que vai voltar à elite, tenho quase certeza. Mas será assim, com vitórias, suadas e sofridas. Afinal, quando virão os tais reforços “cirúrgicos e pontuais”?

Quanto ao jogo diante do Atlético- adversário que costuma lhe ser fatalista- creio que a vitória foi justa.

Falta o último capítulo da novela Neymar

                                                                                      Foto: Divulgação

Já era começo da madrugada deste sábado quando ao sair da reunião com dirigentes do Santos, ao lado de seu pai, Neymar pediu só mais um tempinho para pensar e decidir qual será o seu novo clube. Ufa! Pelo menos já se sabe que o Santos venderá o seu maior astro e que o craque irá mesmo para a Espanha ainda nesta temporada.

Barcelona ou Real Madrid, façam as suas apostas.

Por tudo o que aconteceu, daria até para  cravar o Barça. Neymar e Messi enfim juntos.

Só que, por cautela, ainda deixo uma brechinha para o Real, pois o dinheiro que esse clube madrilhenho tem é coisa capaz de fazer surgir “o mordomo” no final da trama.

Mesmo assim, repito, neste caso deve dar a crônica do desfecho anunciado: Barcelona.

E para o Santos, até que foi uma saída lucrativa.  Pois não estava acordado que Neymar sairia de graça ao final de seu contrato, no ano que vem? Pois é, para quem não ia receber nada e mesmo assim aos 45 minutos do segundo tempo ainda encher o bolso de grana foi um gol de placa.

Dá até para contratar Robinho e mais alguém, tentando reconstruir esse Santos. Que, nos últimos tempos, nem Neymar salvava.

O Galo heroico. E mais: uma rebelião no futebol e o Mercado da Bola.

                                                                                Foto: AFP

E, de repente, chegou-se a pensar que o mar tinha virado sertão e o sertão virado mar: o Tijuana vencia o Atlético Mineiro por 2 a 0 (gols de Riascos e Martinez- aquele do cabelo (“a lá” Neymar) e a zebra estava desenhada. Cairia, no gramado sintético, o melhor time da Libertadores?

Mas o Galo tem time e seu goleiro não se chama Bruno- o palmeirense do frango histórico-, Victor é o seu nome, com agilidade e virtudes para defender os chutes dos entusiasmados mexicanos. E o Atlético fez seu primeiro gol, marcado por Diego Tardelli, e no último minuto, alcançou o empate, através de Luan que, dizem, será capaz de substituir bem ao craque Bernard- se este for mesmo negociado com o Borussia Dortmund.

E pronto: com o empate consumado, a lógica foi restabelecida, pois agora, no caldeirão do Independência, basta outro empate, por zero a zero ou 1 a 1, para o Galo passar à semifinal da Libertadores. Em minha opinião, o Atlético vencerá com facilidade o jogo de volta. Fazendo justiça ao time que ousa jogar um futebol ofensivo e a um presidente atleticano ousado e apaixonado, Alexandre Kalil, que sempre busca uma equipe forte. Justiça também para o técnico Cuca, que divide com o corintiano Tite, as honras de melhor técnico do Brasil no momento.

(No outro jogo desta quinta-feira à noite, pela Libertadores, mesmo jogando na Bombonera, o Boca não foi além de um empate- zero a zero- diante do Newell’s Old Boys, que me parece ser o melhor time argentino do momento).

REBELIÃO NO CAMPEÃO CARIOCA

Os jogadores do Botafogo, campeão carioca, se recusaram a ficar concentrados para o jogo contra o campeão paulista, o Corinthians, neste sábado. E o motivo me parece ser dos mais justos: trata-se de um protesto contra os salários e direitos de imagem atrasados, isso para não se falar nas premiações prometidas por conquistas.

Se por um lado, o protesto é justo, por outro cabe uma reflexão: não estarão os nossos clubes enroscados em altos salários, excessivos para a realidade do País, oferecidos aos seus elencos? Não pagar o combinado, no entanto, é perder a razão e arcar com as consequências.

PITADINHAS  DO  MERCADO  DA  BOLA

1-  Ao que tudo indica, Luís Fabiano pode mesmo sair do São Paulo. E meu palpite é o de que ele não será negociado com o Inter de Porto Alegre- que deseja o seu futebol- mas sim para o futebol árabe. Ou será que tudo vai “acabar em pizza”?

A conferir.

 2- Ah, Souza quer ir embora: trata-se do volante do Palmeiras- tantos são os Souzas de nosso futebol-, que está para ser negociado com o Cruzeiro, insatisfeito com sua condição salarial, embora seu contrato só termine em dezembro. É um direito que tem. Mas também tem direito a torcida palmeirense de não se incomodar com sua saída, especialmente quando se lembra de sua tragicômica atuação na eliminação para o Tijuana. Não tenho certeza, pois vi o jogo pela tevê, mas creio que duas de suas cobranças de falta foram parar no Tobogã do Pacaembu.

3- Paulinho, uma questão de preço: aquela minha confiável fonte corintiana me diz que não há mesmo condição de o Corinthians segurar por mais tempo o volante Paulinho e que é só uma questão de tempo e de preço. Mas Paulinho deve jogar contra o Botafogo. E a fonte me garante, ainda, que a contratação de Ibson (que considero muito bom como segundo volante, posição de Paulinho) é um pedido do técnico Tite.

4- A novela Neymar: cansativa, está irritando o jogador e seu pai, também chamado Neymar, que nesta quinta-feira disse que “a novela já acabou, e não vou permitir leilão”. Outras fontes, no entanto, asseguram que o Barcelona já aumentou a sua oferta e que o negócio deve sair depois da Copa das Confederações.

Meu Deus! Que tudo se decida logo... Trata-se de novela mais longa do que a antológica “O direito de nascer”.

A mágoa de Luís Fabiano, a irritação de Neymar, o desencanto com Valdivia. E mais: o empate do Flu, estreias, decepções...

1- Assim que terminou o primeiro tempo do amistoso com o Londrina (vitória do São Paulo, 2 a 1), o centroavante Luís Fabiano, autor do primeiro gol, bem que tentou. Mas não conseguiu esconder sua mágoa por ter sido considerado negociável pelo presidente do São Paulo, Juvenal Juvêncio: “Por enquanto, vou ficando. Mas já tem gente interessada em mim e o que se falou já foi falado: está borbulhando, tudo pode acontecer”- desabafou o goleador, tomando cuidado com as palavras, sem, no entanto, disfarçar o aborrecimento.

A torcida até levou faixa ao estádio, em sinal de apoio a Luís Fabiano. Em minha opinião, no entanto, o jogador nem apresentou o rendimento esperado e nem teve comportamento adequado em campo, sendo expulso e desfalcando o tricolor em várias oportunidades.

Ofendido, então, por quê?

2- Neymar tem só 21 anos e a polêmica sobre sua transferência para o futebol espanhol (ainda não definida para esta temporada) pode estar mexendo com os seus nervos. Na verdade, no jogo contra o Joinville pela Copa do Brasil- de péssima qualidade, empate de zero a zero- Neymar revelou-se extremamente irritado, inclusive com seus companheiros. Bem ao contrário daquele jogador alegre, irreverente e bom de bola.

Irreconhecível!

3- O desencanto com Valdivia, cuja volta agora está prevista apenas para julho, já tomou conta da torcida do Palmeiras há algum temo. Mas quando um ídolo do passado, o grande Dudu- o mesmo que formou inesquecível dupla com Ademir da Guia- também se manifesta contra o ex- Mago, declarando que já não espera mais nada desse jogador no Palmeiras de seu coração, fica mais forte a sensação de que se trata de um caso perdido.

E o mais grave é que, parece não existe nenhum comprador à vista. Nem mesmo por preço modesto.

4- Estreias e decepções: entre os estreantes da noite de quarta-feira, salvou-se o meia Roni, vindo do Mogi Mirim para o São Paulo, autor de belo gol contra o Londrina. Quanto ao estreante do Santos, Henrique, que também teve o seu destaque no Mogi, seu futebol foi muito pobre e nem sei se ele é melhor do que o negociado André.

Quanto às decepções, arrependeu-se quem ficou vendo jogar pela tevê o Londrina- frente ao São Paulo- para ver melhor, no time da casa, o trio que desperta interesse no Mercado da Bola- o lateral-esquerdo Wendell, o volante Bruno e o atacante Wéwerton. Não se deve julgar um jogador por apenas uma partida, mas pelo que se viu em campo, todos eles só poderiam ser contratados por empréstimo. Contratar em definitivo, o bom senso não recomenda. O melhorzinho foi o volante Bruno e, mesmo assim, com futebol nada além de razoável.

5- E o empate do Flu, em casa? Por sustentar elenco milionário, recheado de estrelas, o Fluminense não foi além de um empate sem gols diante do Olimpia, no Rio, pela Libertadores. Confesso que, ao ver futebol tão ruim, suportei apenas o primeiro tempo. E completei a análise acompanhando os melhores (?) momentos da etapa final. Agora, será verdadeira façanha suportar os paraguaios fora de casa, dando a entender, pela lógica, que só o Atlético Mineiro está em condições de trazer o caneco da Libertadores para o Brasil.

A conferir.                                                                        

Mercado da Bola: Robinho, Welliton e a revelação de um conselheiro do Palmeiras.

Acompanhando a ansiedade do torcedor por novidades em seu time, às vésperas do Campeonato Brasileiro, a tendência é a de que o Mercado da Bola fique cada vez mais agitado de agora em diante. Comento as mais recentes notícias e passo, de primeira, a informação de um respeitado e antigo Cardeal palmeirense:

1- Começo pela revelação do Cardeal: ele- que jamais me falhou em suas informações- me garantiu, por telefone, que o Palmeiras contratará, sim, três renomados jogadores. Alegando saber do assunto, mas desconhecer os nomes, deu-me a entender que será para o segundo semestre, não se tratando, pois, das revelações que andam sendo comentadas e que podem chegar também. Como a cúpula do Palmeiras mantém sigilo sobre reforços, a imaginação corre solta e dá direito a chutes e palpites.

Palpito e chuto, então: não me surpreenderia nem um pouco se Adriano, o Imperador, fosse tentado- caso o desejo por Alan Kardec, do Benfica, não der certo: ”Eu gostaria, desde que com contrato de risco”- disse-me o Cardeal: assim como, suponho, avançasse a tentativa por Samúdio e Mendieta- ou um dos dois-. meias do Libertad, pois quase ninguém mais acredita em volta por cima de Valdivia.

E não estou excluindo, aqui, eventuais revelações que possam chegar ao Palmeiras.

A conferir.

2- Robinho, de volta ao Santos?   É o que se comenta, especialmente se for mesmo consumada a saída de Neymar. Robinho não está em alta no Milan, ainda tem muito prestígio com a torcida santista e até a diretoria do Inter de Porto Alegre, que também estava interessada no jogador, está ciente de que o futuro do “Pedalada” será o seu antigo clube, o Santos.

Creio que será uma boa.

3- Welliton: é possível mesmo que ele seja contratado pelo São Paulo, embora esteja emprestado ao Grêmio pelo Spartak de Moscou até o fim do ano. Se jogar como o fez no Goiás, clube que o revelou, atuando pela direita e se deslocando para o meio, poderá ser uma solução para o esquema do técnico Ney Franco, carente de um jogador com o estilo de Welliton desde a saída do craque Lucas.

4- E a Portuguesa está contratando, por empréstimo, o meia Cañete (que já foi chamado de “o novo Riquelme”), encostado pelo São Paulo, e João Felipe, aquele grandalhão do tricolor. A Lusa, que acaba de voltar à elite do futebol paulista, não quer correr o risco de ter de enfrentar o fantasma do rebaixamento na Série A.

Por hoje, é só.

Mercado da Bola: reviravoltas e possibilidades.

1- Dava-se como certa a contratação do lateral-direito Cicinho, da Ponte Preta, pelo São Paulo. Agora, já nem tanto: a Ponte recusou a proposta tricolor- que seria de 3 milhões de reais e mais o empréstimo do meia argentino Cañete- e o São Paulo, aparentemente, desistiu do negócio. Ou pelo menos deu um tempo. Por enquanto, reviravolta.

2- Se nada tiver mudado, sobre o que me disse uma confiável fonte corintiana, o zagueiro Cleber- da Ponte Preta, deverá ser anunciado como o novo reforço do Corinthians ainda nesta semana. Cleber fez parte da Seleção do Campeonato Paulista, eleito ao lado do corintiano Gil, com quem poderá, no futuro, formar a dupla de zaga. Em todo o caso, aguardemos o desfecho do caso.

3- Ibson seria uma boa para o Corinthians? Já praticamente desligado do Flamengo, em minha opinião, seria uma boa, sim. Aos 29 anos, já mostrou muito bom futebol quando escalado como segundo volante- e não como meia-, o que viria a calhar se realmente Paulinho deixar o clube. Mas não descarto uma reviravolta no caso Paulinho, pois a fonte corintiana me disse que, em conversa coma cúpula, no fim “só vão sair do clube, o goleiro Júlio César e o Jorge Henrique”.

4- O estranho caso Neymar: apesar do otimismo da imprensa espanhola em ver em ação já nesta temporada Neymar ao lado de Messi, ainda não estou convencido de que isso acontecerá mesmo antes de meados de 2014. A impressão que se tem é a de que o Santos, agora, tenta ganhar uma certa quantia por seu astro, mas que este não é o desejo de seu pai e procurador, que, há pouco tempo, dizia que quando terminasse o contrato ficaria com 100% da venda. Enfim, faria valer o que foi combinado.

E, neste caso, estaria apenas cumprindo o acordo, o contrato assinado.

Não será tarde demais para o Santos? Ou terão uma fórmula mágica para uma reviravolta?

Por enquanto, o Santos liberou o centroavante André para o Vasco e contratou Henrique, do Mogi. Não sei se há diferença entre os dois.

5- O Palmeiras e seus mistérios: às vésperas de sua estreia na Segundona- e sabedor de que um fracasso na tentativa de subir estragará a festa por seu centenário- a cúpula não dá pistas sobre quem pretende contratar.  Nos bastidores, fala-se, ainda, em Alan Kardek para centroavante, Samúdio para a meia-esquerda (é lateral de origem-)- ilusão; o trio do Londrina (o volante Bruno, o lateral-esquerdo Wendell- que tem grande potencial- e o atacante Wéwerton) que dificilmente virá por empréstimo e no lateral- direito Alex Reinaldo. Por sinal, vi o vídeo com os melhores momentos desse jogador- que defendeu a União Barbarense no Campeonato Paulista e me pareceu muito bom. Só que ver apenas os melhores momentos de um jogador, às vezes engana muito...

Enquanto isso, Valdivia segue sua rotina: ficará ausente do jogo, mais uma vez. Neste caso, uma reviravolta está mais para utopia.

6- Luxemburgo e a reviravolta: enganaram-se os que pensavam que o técnico fosse demitido nesta segunda-feira pelo Grêmio. Havia na imprensa gaúcha quem apostasse nisso. Mas Luxemburgo foi mantido à frente do milionário elenco gremista, apesar dos fracassos recentes.

7- Mourinho: com este, não houve jeito. Ele saiu do Real Madrid, não havia mais clima depois das últimas derrotas, mas não deve estar triste. Deve ter sido generosa a grana pela rescisão de contrato e Mourinho já tem o Chelsea a sua espera.

E assim caminha o futebol.

Corinthians, 27 vezes campeão paulista. Para amenizar a dor pela Libertadores.

TAÇA - Santos x Corinthians (Foto: Eduardo Viana/LANCE!Press)

Mais uma vez, só que agora mesmo na Vila Belmiro, o Corinthians foi superior ao Santos e merecia mais do que esse empate de 1 a 1 (gols de Cícero e Danilo), que lhe foi suficiente para garantir o título de campeão paulista de 2013. Aliás, o de número 27 de sua História. Sendo, com folga, o maior Campeão paulista. Nem o eventual tetra do Santos- que acabou ficando apenas nos sonhos santistas- seria capaz de lhe roubar essa hegemonia.

E se já no Pacaembu o Corinthians tinha sido melhor do que o Santos, na Vila Belmiro não foi diferente: mesmo saindo atrás no placar como gol de Cícero, o Corinthians logo empatou com Danilo, chutando, depois, três bolas na trave e perdendo dois gols certos, com Romarinho e Pato. Saiu de campo de alma lavada.

E o Santos? Criou pouco, viveu de lampejos de Neymar (cada vez mais raros), mostrando que não pode mais depender do talento de seu único grande craque, que, por sua vez, ou por estar preocupado com provável transferência para o futebol espanhol ou por estar esgotado, brilha cada vez menos nos últimos jogos. E reclama cada vez mais.

Para o Corinthians, a conquista do Campeonato, serviu para amenizar a dor pela Libertadores perdida- esta, verdadeiramente, o seu sonho de consumo. Ao final da partida, os jogadores e o técnico Tite foram até o local onde estavam concentrados os torcedores corintianos, como forma de agradecimento aos aplausos recebidos depois da eliminação para o Boca Juniors de Riquelme.  Ainda mais com a desastrosa atuação do juiz paraguaio, Carlos Amarilla.

Resumo da ópera: sai fortalecido o Corinthians para a disputa do Campeonato Brasileiro, com time pronto e elenco forte (até Paulinho disse que não sairá), tendo certamente Pato para ser um dos titulares ao longo do torneio; e sai como grande incógnita o Santos, que vem jogando mal há vários jogos, deixando a sensação de que nem Neymar- por lhe faltar companheiros- é capaz de resolver os problemas do time. E que são muitos.